Vietnam Con Dao Six Senses Villas de 4 quartos

Oi gente! Estou sumidíssima pois desde que saí do Brasil já se foram quase 40 dias e esta segunda etapa da minha viagem, pela Indochina, está sendo tão ou mais intensa do que a passagem pela Islândia. Tudo aqui é muito bonito, muito antigo, muito complexo ou tem uma importância histórica muito grande. Na maioria dos casos é tudo isso junto, kkkk. E a viagem foi intensa tanto em se falando da experiência, absolutamente bárbara, como de compromissos, já que tive a oportunidade de conhecer diversos hotéis e fazer quase todos os passeios disponíveis em cada cidade por onde passei. Mas gente, vocês não têm ideia de como é importante para mim conhecer cada passo de um roteiro e como me considero privilegiada por participar de eventos profissionais deste nível. Como me faz feliz conseguir transferir cada conhecimento adquirido nessas minhas viagens de trabalho para alguém que coloca em minhas mãos um sonho. Fazer viagens é realizar sonhos e eu simplesmente amo participar de cada detalhe da elaboração de um roteiro. Volto para casa e para o trabalho em São Paulo carregada de novidades!

 

Bom, já estou no final dessa minha aventura. Hoje embarco para a Tailândia novamente e semana que vem devo estar no Brasil, mas hoje tive um tempo livre e resolvi fazer um resuminho do meu roteiro para vocês ficarem por dentro de tudo. Depois vou fazer um post sobre cada cidade, cada hotel, cada atração, mas só vou ter tempo para isso na volta mesmo, então vamos aos highlights:

 

Chegando em Bangkok. Juro que nem sei mais quantos voos foram. 15? 16?

Chegando em Bangkok. Juro que nem sei mais quantos voos foram. 15? 16? Enfim, amo essa vida.

 

Tudo começou quando saí de Londres e fui para Bangkok, onde me hospedei no maravilhoso Mandarin Oriental, sempre irretocável. A cidade é grande, é cosmopolita, tem vida noturna agitada, ótimos restaurantes e um skyline de respeito. A coisa mais fofa do mundo é o mercado flutuante, que começou a funcionar em 1960, quando as mulheres saíam de casa com mantimentos para serem trocados entre elas mesmas. A atividade despertou a curiosidade dos turistas e a partir dos anos 80 se instaurou a venda de artesanato no local. É super típico de lá, vale muito a pena conhecer. 

 

Mandarin Oriental Bangkok

Mandarin Oriental Bangkok

 

Mercado flutuante em Bangkok

Mercado flutuante em Bangkok

 

De Bangkok fui para Luang Prabang, no Laos. Me hospedei no incrível Amantaka, hotel que, como todo bom Aman, preza pela tranquilidade, extremo bom gosto e muito conforto. Seu edifício foi construído em 1920 para ser um hospital, mas depois virou hotel. Porém, como em Luang Prabang NADA pode ser modificado, já que a cidade é patrimônio mundial pela UNESCO, ele ficou com fama de mal assombrado e é considerado um dos top 5 nessa categoria, kkkk. Tem nada de assombrado, gente! É um luxo só, como todos os hotéis da rede Aman, kkkk. Amo. Poderia morar neles. Daí, vocês não sabem, mas eu tive a honra de receber uma bênção especial da família real do Laos! Sério, estou emocionada até agora. Foi durante a cerimônia Baci, que aconteceu no Amantaka, quando o Principe Nithakhong Somsanith ensina exclusivamente aos hóspedes do Aman a milenar historia e tradição de sua rica cultura. Foi demais. 

 

Com o Príncipe e a princesa do Laos. Sem palavras, gente.

Com o Príncipe e a princesa do Laos. Sem palavras, gente.

 

 

Laos

Laos

 

Amantaka

Amantaka

 

Hotel mal Assombrado, buuuuuuu! Muito amor pelo Amantaka e pelo Laos.

Hotel mal Assombrado, buuuuuuu! Muito amor pelo Amantaka e pelo Laos.

 

Ainda em Luang Prabang, visitei a cachoeira Kuang Si, apenas um espetáculo. 

 

Cachoeira Kuang Si em Luang Prabang

Cachoeira Kuang Si em Luang Prabang

 

A próxima parada foi Hanoi, a capital do Vietnam, onde me hospedei no Hotel Metrópole, super tradicional, uma espécie de Copacabana Palace de Hanoi. Adorei. A cidade é bem bacana também, agitadíssima e vocês nem imaginam a quantidade de motoquinhas pilotadas por loucos que há pelas ruas, kkkk. Achei uma ZONA, e olha que eu já fui para Delhi, hein! Saibam que nessa época do ano o calor por lá é muito forte, mas nada que roupas frescas não resolvam. A questão é que a cidade é bem interessante e vale ser vista. De Hanoi fui para Halong Bay, Patrimônio natural da Humanidade e da UNESCO, com suas águas cor de esmeralda, grutas, e suas quase 2 mil ilhotas que OLHA: encantam qualquer turista. Passeei de barquinho por lá e fiquei maravilhada, viu?

 

Hotel Metropole em Hanoi

Hotel Metropole em Hanoi

 

Halong Bay

Halong Bay

 

Então, partimos para Ho Chi Minh, a antiga Saigon. A história da cidade é marcada pelas tantas mudanças que sofreu desde sua fundação (já pertenceu a Vietnam, já foi colônia francesa, etc) e hoje é um destino moderno cheinho de entretenimento para a gente. Mas é impossível esquecer o passado de guerra e a gente vê muitas lembranças dessa fase em pontos turísticos, nos hotéis e até pelas ruas. É muito recente, é “a guerra da minha geração”, não dá para não ficar tocado. Visitei os túneis de CuChi, que têm mais de 250 km e ficam a 1 horinha de Ho Chi Minh. Neste lugar a gente vê exatamente como os vietnamitas se escondiam para sobreviver. Incrível. 

 

Os túneis Cu Chi

Os túneis Cu Chi

 

Daí, meus queridos, fomos para o DESLUMBRANTE hotel Six Senses, em Con Dao, e o que dizer sobre o lugar? Perfeito? Sim. Um sonho? Super sim. Tudo na vida? Exato. É um bom gosto generalizado nessa construção rústica à beira mar que fica até difícil descrever. A praia é deserta, a água é de uma temperatura maravilhosa e vocês nem imaginam como tudo isso é tão perfeito para uma Lua de Mel. Além dos quartos, o Six Senses também disponibiliza villas de 4 quartos para aluguel. Sabe quem já ficou numa delas? Angelina & Brad! Tá boa? 

 

Six Senses, que maravilha

Six Senses, que maravilha

 

Segui para o Camboja e, mais uma vez, fui brindada com uma hospedagem num Aman, o Amansara, em Siem Reap. Lindo, MARA, tudo. Aman é Aman, não me canso de repetir. A questão é que caí de amores imediatamente pelo Camboja e isso porque ainda não tinha nem visitado Angkor, imaginem. Caí dura, é escandalosamente maravilhoso. Um dos templos que merece destaque, além de Angkor Wat, é o Ta Prohm, famosérrimo por sua “participação” no filme Tomb Raider (olha a Angelina me perseguindo, gente). Depois venho com mais detalhes sobre Angkor. Uma loucura. 

 

Amansara, Siem Reap, Camboja. Nada mal, hein?

Amansara, Siem Reap, Camboja. Nada mal, hein?

 

Quarto deuso do Amansara

Quarto deuso do Amansara

 

Ta Prohm, Angkor, Camboja. Alá a árvore da Lara Croft!

Ta Prohm, Angkor, Camboja. Alá a árvore da Lara Croft!

 

Angkor Wat Temple

Angkor Wat Temple

 

Agora tenho que sair correndo pois ainda tenho uma série de compromissos antes de embarcar para Koh Kood Island, onde está um dos hotéis mais absurdos do mundo, o Soneva Kiri. Depois conto tudinho! Beijos!

Postado por às 18:00

destinos category image
. Comentar


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

© 2017, Silvana Bertolucci. Todos os direitos reservados.
desenvolvimento: Absoluto Web